18 de out de 2010

7

A descoberta que mudou minha vida - Parte 2

Meu marido estava totalmente ciente de que eu não me converteria ao Islam. Antes de nos conhecermos pessoalmente, já havíamos combinado de que como cada um tinha sua religião e que nos organizaríamos para nos encontrar no meio de cada uma. Eu não vestiria mais minhas blusas sem manga, com algum decote e mostrando a barriga (infelizmente na época eu era mesmo uma "católica play" pois não me vestia com modéstia e discrição como é ordenado por Deus na própria Bíblia). 

Não vou dizer que no começo não tenha sido difícil cumprir essa promessa mas enfim acabei acostumando pois trato é trato e assim eu também estava seguindo minha própria religião. Durante todo esse tempo, observei meu marido e seu modo de viver como muçulmano pois a religião para ele não se separa da vida, mas a vida é regida pela  religião. Isso me fez admirar ainda mais o Islam pois aqui no Brasil as coisas são muito diferentes. A religião para muitos se resumi a 1 hora de oração aos domingos e no resto da semana esquecem-se de Deus, como se Ele não nos observasse o tempo todo, vivendo uma vida dupla, entre o sagrado e o profano. O problema é que as pessoas dizem amar a Deus somente de boca, mas na hora de cumprir as obras correm Dele; estamos num tempo em que o povo não aceita a própria Palavra do DEUS ao qual dizem servir. E os hipócritas jamais herdarão o reino dos céus, é promessa do Senhor... E eu não queria estar entre estes, minha ficha estava caindo...

Enfim, continuei assim meus estudos "secretos" sobre o Islam pois não queria que meu marido tivesse falsas esperanças sobre mim. E costumava ir à mesquita ficar conversando com as mulheres enquanto ele rezava, sempre me senti muito bem lá. Mas sinceramente, nunca pensei que fosse cogitar a possibilidade de me converter embora gostasse do Islam. Talvez por um pouco de orgulho, não queria dar o braço a torcer que a religião "dele" pudesse ser mais interessante que a minha e além disso, eu estava acomodada em minha vida, continuava indo a igreja quando queria, tinha minha Bíblia em casa, tudo ía bem, então por que sair da minha zona de conforto? E também se eu me convertesse, com certeza teriam pessoas ignorantes que ficariam falando que meu marido havia me "obrigado a converter", mesmo depois de anos de casados estando cada um respeitando a religião do outro.

Sabemos que várias pessoas se convertem para agradar o esposo (a), o que eu particularmente considero errado visto a religião ter que ser sentida no coração e com o intuito de agradar o Criador e a ninguém mais. Mas eu havia chegado num ponto da minha fé devido a tantas pesquisas e leituras onde eu já não podia mais negar as coisas em que acreditava e nas que deixara de acreditar.Voltar para trás era negar a verdade que se revelou clara como a luz do sol, de que a criatura não pode ser maior que o Criador, o que foi enviado não pode ser maior do que quem o que enviou. As próprias palavras de Jesus (que a paz esteja com ele) sempre foram somente para enaltecer a Deus e jamais a ele mesmo. A Bíblia mostra isso claramente ! Ele jamais se proclamou Deus ! Eu buscava a razão e não crendices e "mistérios" que não pudessem ser explicados. Assim, eu já não acreditava mais na divindade de Jesus (que a paz esteja com ele) e muito menos em santos milagreiros, não rezando mais para eles, não rezava mais a Ave Maria, não acreditava mais na trindade e acreditava no Profeta Mohammad (que a paz esteja com ele) como último mensageiro de Deus.

Eu ía na igreja não acreditando mais em seus preceitos básicos, não estava seguindo nem uma religião nem outra. Cheguei a pensar em entrar para alguma igreja evangélica, e me interessei pela Cristã do Brasil, onde me disseram que homens e mulheres rezam separados. Mas de qualquer forma, ainda esbarrava na questão da divindade de Jesus. Ou seja, na verdade eu já era muçulmana, só me faltava professar a shahada (profissão de fé). Assim, depois de muita luta interna comigo mesma, no dia 4 de setembro deste ano (2010) fui à mesquita, faltando 5 dias para terminar o Ramadan ( mês sagrado onde os muçulmanos jejuam) e fiz minha shahada, alhamdulillah:

 " Ashadu an la ilaha ilallah wa ashadu ana Mohammed rasullullah"  - (tradução: Eu testemunho que não há divindade a não ser Allah e eu testemunho que Mohammed é seu mensageiro )

Meu marido nem conseguia acreditar no que estava acontecendo. As pessoas se emocionaram na mesquita. O imam chamado Amr disse que daí para frente era como se eu tivesse nascido de novo e que como um "bebê", deveria ir com calma, aprendendo tudo ao meu tempo. Mas no dia seguinte, eu já estava fazendo meu primeiro dia de jejum como muçulmana. Logo eu, que não ficava mais do que 4 horas sem comer algo e já ficava passando mal de fome rsrsrs... Acho que minha fé e força de vontade em fazer o que era certo era tanta que Deus me ajudou. Cinco dias depois estávamos eu e  meu marido, pela primeira vez participando juntos no dia do Eid el Fitr. Neste dia, ganhei um lindo bolo surpresa das minhas queridas irmãs Maria Laure e Shirley em comemoração a minha reversão. Nunca me senti tão feliz em toda a minha vida em ser verdadeiramente serva do Deus Único.
Agora posso dizer, sou Muslimah com Orgulho !!!


Shirley e eu


Eu e Marie Laura

Shirley e eu



Que Allah Misericordioso, conceda a mesma felicidade e a verdade do Islam a todos, inshaAllah!

7 comentários:

Chadidscha disse...

Bonita história. Olha e eu so a prova de que Allah leva ao islão quem Ele quer, mesmo sem marido muçulmano, sem conhecidos muçulmanos, e até sem interesse em religiões. Se quiser saber como: http://chadidschap.blogspot.com/ (toda a história sob "metamorfose".

Maryanna Fahmy disse...

Assalamo aleikom Chadidscha !
Obrigada querida ! Realmente, Allah nos guia a sua Verdade por caminhos que jamais poderíamos esperar trilhar.
Sua história é muito bonita também, já li e comentei lá no seu blog.
Salam !

kris disse...

Maryanna, estou enfrentando essa mesma contrdição que você enfrentou, e tenho sentido muito medo, estou namorando um rapaz muçulmano, ele é maravilhoso, gosto muito dele e ele faz planos de nos casarmos, eu não tenho nenhum tipo de preconceito em relação a religião, mas tenho medo sobretudo em relação a aceitação por parte da família dele... Gostaria muito de conversar com você e saber como foi sua transição ao islã, me ajudaria muito. Obrigada pelo blog que é incrível!!!

Muslimah Brasileira disse...

Olá Kris, seja bem vinda !!
Que bom que gostou do blog, fico muito feliz ! Será um prazer conversar com você, você tem msn? Caso prefira que não apareça aqui, pode responder e eu não posto o que você enviar ok?
Abraço !

Simplesmente Muçulmana disse...

!السلام عليكم
Assalamu alaykum!
Nem preciso dizer que me sinto feliz de fazer parte de sua história, né? Admiro sua força de vontade, sua dedicação ao buscar o conhecimento. Saudades!

Muslimah Brasileira disse...

Walaikum salam minha querida maninha !
Foi uma honra ter passado esse momento mágico da minha vida contando com seu carinho e apoio, jazakaAllah khair ! Saudades também ! Beijosss

tainara lopez disse...

Linda história Masha' Allah ..linda mesmo Alhamdulillah Allah encaminhou .....♥♥♥

Postar um comentário

Olá caro (a) visitante, bem vindo (a)!
Qual a sua opinião sobre o texto acima, o que gostaria de acrescentar /comentar ?
Fique a vontade em participar !

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Se gostou, compartilhe !

 
Copyright Muslimah com Orgulho ! 2009. Powered by Blogger.Designed by Ezwpthemes .
Converted To Blogger Template by Anshul .